Cinta pós-parto: é necessária? Ajuda na recuperação? Como usar?

Cinta_Pós-Parto
Cinta_Pós-Parto

A cinta pós-parto é um acessório bastante usado por mulheres que acabaram de dar à luz. No entanto, muitas mães ainda têm dúvidas em relação ao seu uso, além de não conhecerem muito bem o papel dessa peça e não saber qual cinta é adequada para o período pós-parto.

No entanto, muitas dessas questões serão, enfim, esclarecidas. Confira, as principais dúvidas em relação ao uso da cinta após a gestação, que a maioria das novas mamães tem.

O uso da cinta é realmente necessário?

As cintas pós-parto costumam ajudar bastante às mulheres que acabaram de parir. O seu uso, porém, não é algo obrigatório.

Em que a cinta ajuda, então?

Um dos benefícios da cinta é auxiliar que a gestante recupere um pouco da sua forma física. Isso não significa que apenas usando o acessório, o corpo voltará “ao normal”.

A cinta não faz milagres. Assim, o uso do acessório no período pós-parto não substitui cuidados e hábitos saudáveis, como uma alimentação equilibrada, exercícios físicos leves, ingestão frequente de líquidos, entre outros. 

Por outro lado, o uso da cinta tem muitas utilidades para a mulher que acabou de gerar o seu bebê, como:

  • Segurança para a mulher se locomover, como sentar, andar, levantar, etc;
  • Confere mais firmeza ao abdômen, que tende a ficar flácido com o nascimento do pequeno;
  • Proporciona postura correta, evitando dores ou problemas futuros, em especial, na região lombar e nas costas; 
  • Reduz a chamada sensação de “barriga vazia”, que muitas mulheres em período pós-parto sentem. Isso porque a gestante passa 9 meses sentindo a sua barriga enrijecida e inchada devido a gravidez e, ao dar à luz, elas sentem como se o abdômen tivesse esvaziado. Isso pode gerar desconforto a muitas mamães.

Cinta_Pós-Parto

Existem contraindicações para o uso da cinta?

Há controvérsias entre a própria classe médica. Alguns médicos, por exemplo, acreditam que a cinta não deve ser usada pelas mulheres que acabaram de ter os seus filhos.

Para esses profissionais da saúde, o uso frequente da cinta durante a fase pós-parto limita que a musculatura das mulheres se movimente livremente. Ainda, consideram que pode impactar negativamente no fluxo sanguíneo.

Afinal, se deve ou não usar a cinta após o parto?

Não existe uma resposta exata para essa questão. Como pode ser visto, o uso da cinta traz benefícios, embora alguns médicos apontem fatores prejudiciais.

Portanto, o recomendado é apenas fazer o uso da cinta durante a fase pós-parto com a autorização do médico. A mulher deve conversar e debater os prós e contras e seguir a orientação do profissional que acompanha a sua gestação.

Quais são os cuidados para usar a cinta pós-parto?

Alguns cuidados realmente devem ser observados por todas as mulheres que acabaram de terem os seus bebês e desejam aderir ao uso da cinta. Veja:

  • Mulheres que passaram por parto normal devem esperar cerca de 30 dias para iniciar o uso da cinta;
  • Já quem passou por cesariana pode usar a cinta após 1 semana, aproximadamente, do dia do parto;
  • Evitar dormir com a cinta, para não comprometer o conforto durante o sono ou mesmo a livre movimentação de músculos e tecidos;
  • A peça deve parar de ser usada imediatamente em casos de extremo desconforto ou mesmo de sangramentos. Caso ocorra presença de sangue vaginal, também procurar atendimento médico; entre outros.

Cinta_Pós-Parto

A cinta pós-parto pode ter qualquer modelo?

De forma nenhuma. Cintas pós-parto são específicas para esse uso e são diferentes daquelas peças usadas por pessoas que querem melhorar a aparência da sua silhueta ao vestirem uma roupa que marque o corpo, por exemplo.

Atenção! A mulher que acabou de dar à luz jamais deve usar qualquer modelo de cinta comercializado por aí… em geral, a cinta pós-parto é modelada de forma e com materiais que se adequam ao corpo da nova mamãe.

Dessa forma, ela costuma ser feita em tecidos antialérgicos e não apertar tanto quanto as cintas modeladoras, que tem apenas a função de afinar a silhueta – enquanto o acessório para pós-parto não tem essa função.

De que forma a cinta pós-parto deve ser usada pela mulher?

É importante levar em consideração que a cinta deve ficar “firme” no corpo, ou seja, não apertar e nem ficar solta no corpo (pois, dessa forma, não trará benefício algum). Além disso, mulheres que passaram por cesárea devem dar preferência para os modelos que cubram a cicatriz, para que o acessório não fique esbarrando no corte, machucando-o e dificultando a sua cicatrização.

Diferentes Modelos de Cinta Para Mulheres em Pós-parto

O mercado de cintas para as mamães que passam pelo período de pós-parto são muitas. A seguir é possível conhecer as principais delas, sendo que a mulher não deve se esquecer de verificar com o seu médico qual o (s) tipo(s) de peça(s) ideal (s) para ela:

  • Cinta Básica: é mais indicada para as mamães que sofrem mais com a sensação da “barriga vazia”. A peça deve ser vestida apenas na parte abdominal do corpo. Em geral, tem fechamento por velcro ou colchetes.
  • Cinta Com Calcinha: versão de cinta pós-parto que se parece com o modelo acima, mas inclui uma parte inferior, que se assemelha a uma peça íntima feminina (calcinha). Para a mulher não ter o trabalho de retirar a peça toda, esse estilo de cinta, em geral, vem com abertura inferior por colchetes ou velcro.
Cinta_Pós-Parto
  • Cinta com Pernas: cinta pós-parto parecida com o modelo acima. A diferença é ao invés da parte inferior da peça incluir a calcinha, esse estilo vem com um tipo de short curto. Também tem, em geral, abertura inferior por velcro ou colchetes.
  • Cinta Inteira Com Sutiã: trata-se de um modelo de corpo todo com um sutiã, que se abre para a amamentação. Confere bastante firmeza e segurança a mulher que se adapta a esse tipo de cinta. Além disso, esse modelo tem duas versões: um tipo body – onde a parte inferior se parece com uma peça intima e outro mais longo, assemelhando-se a um short curto. Tem abertura inferior para facilitar, com velcro ou colchetes.

Conteúdo:

*publicamos o que consideramos dicas e sugestões seguras, todo o conteúdo da Caiu no Sono são fornecidos “no estado em que se encontram”, sem garantias expressas ou implícitas. Esta publicação não se destina a uso como uma fonte de aconselhamento médico.

(96 Posts)

Inessa Sato Mamãe do Vini, Consultora do Sono materno-infantil ✨ajudando famílias a dormir melhor 📩inessa@caiunosono.com.br

Deixe uma resposta